TODO DIA ...É 1 TEXTO NOVO!!!

4 de jun de 2012

meu camarada 73!!!

Meu Camarada Sete-Três ( in Memória)

Eu o conheci em 1997, estudamos na mesma classe de Teoria Musical da Escola de Música Villa-Lobos. Aproximados pela afinidade e o apreço que tínhamos pelo hip hop logo fizemos amizade, uma identificação natural por termos algo em comum. Trocando idéias, revelamos um para o outro das nossas intenções, dos nossos projetos e de nossas habilidades: ambos éramos letristas e intérpretes sonhadores e cheios de planos, dois rimadores buscando conhecimento teórico e batalhando para gravar o disco de estréia. No mesmo ano inscrevi uma composição no festival da escola, que foi classificada e ficou entre as finalistas. A música foi gravada e incluída na coletânea Festvilla 3. Ronier 73, por sua vez, já vinha gravando algumas faixas com seu parceiro D.J. Juan Melo, e interagindo com outros artistas de rep das zonas Norte e Oeste da cidade do Rio. Conforme nosso grau de camaradagem foi aumentando a parceria entre G.N. (eu) e 73 parecia inevitável. Fui convidado por ele, tempos depois, para acompanhá-lo em apresentações fazendo voz de apoio. Tive o prazer de recebê-lo em minha casa para ensaiar.
Com o mano participei como convidado do evento Hip Hop Rio, promovido por Marcelo D2, e lá fui apresentado ao então líder do Planet Hemp, além de conhecer vários M.C.`s como Marechal (de Niterói) e Dom Negrone (de São Gonçalo). Ainda me lembro daquele dia na Lona Cultural de Realengo, noite chuvosa porém animada ao som das rimas e batidas, teve até uma sessão de improviso (freestyle rap) onde quase todo mundo que estava no palco mandou seu recado sobre a base instrumental de Itzsoweeze, do De La Soul. Naquele momento eu já havia participado de uma segunda coletânea pela citada escola de música e a fama do meu prezado camarada crescia cada vez mais entre as pessoas envolvidas ou que acompanhavam o ‘movimento’ hip hop carioca. Posteriormente, Ronier recebeu um convite para se apresentar num (extinto) programa de atrações musicais da Xuxa, foi a maior exposição que ele teve em sua curta carreira. Aparecer na TV, cantando música própria, o motivou e encheu o peito do jovem repeador de esperança por um futuro promissor – ele ansiava por um contrato com uma gravadora ou gerar o interesse de algum empresário do ramo artístico disposto a investir. Mas suas ambições não se concretizaram.
Num estúdio do bairro Ilha do Governador (R.J.) gravamos a faixa Quem Cala Consente (nosso único registro fonográfico), lançada no fim de 2001 no C.D. Zoeira Hip Hop – encartado em uma das edições da revista TRIP (que tem a Marisa Monte na capa), curiosamente meu nome não aparece nos créditos do disco. A coletânea idealizada pela agitadora cultural Elza Cohen chegou a dar destaque para alguns artistas que ainda estão em atividade (Black Alien, BNegão, etc.). Recordo-me também que uma vez fizemos um “pacto” (de brincadeira) prometendo ajudar o outro, caso um de nós despontasse primeiro ao se estabelecer no mercado musical. Hoje quando leio um dos versos dessa música do 73 fico até arrepiado, num trecho ele diz: “Canto os encantos e prantos, e admito não sou santo/Também sou da raça humana e estou vivo por enquanto/Não faço nem idéia do que me reserva o destino/Mas derrubando barreiras é como eu me imagino...”. Infelizmente o querido Roni (como também era chamado pelos amigos) não vive mais, faleceu há dois anos atrás, 16/04/2007, num acidente automobilístico aos 30 anos de idade.
De uns anos pra cá nossas carreiras tomaram rumos diferentes, perdemos um pouco do contato e depois eu soube que ele tinha se desiludido com a música, abandonou tudo aquilo em que acreditava, prestou concurso e entrou para a Polícia Militar, visando estabilidade financeira. Mudou radicalmente, deixou de ser o M.C. 73 para se tornar o policial Ronier Célio. Quando morreu estava a serviço junto com um colega, um maldito caminhão perdeu o controle e bateu brutalmente contra a viatura – os dois foram a óbito no local. Sinto muitas saudades desse grande cara, vai ficar para sempre em minha mente a imagem desse jovem talentoso, generoso e companheiro acima de tudo. Seguirei o exemplo do Ronier 73 (nasc.: 1977 – falec.: 2007) e reforço seu pensamento: A união faz a força, diz o velho ditado/E esse mundo parece cada vez mais disputado/Mas não concorro com você, eu coopero por nós/Se liga no refrão que eu quero ouvir a sua voz:/Tome, como nós, essa atitude inteligente/Mostre a sua voz, pois quem cala consente”.

Descanse em paz, meu amigo! Dedico à sua memória a canção Superstar, do Lupe Fiasco (c/ participação especial de Matthew Santos).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

DEIXE AQUI SUA PALAVRA TÁ??