TODO DIA ...É 1 TEXTO NOVO!!!

26 de jun de 2011

ANDRÉ ZOVÃO!!!

Da Zona Norte à Cuba! Entrevista com André Zovão
André Zovão, vocalista da banda de rapcore Antizona, e grande amigo do Enraizados, fala com exclusividade ao nosso Portal, sobre música, sobre a banda e sobre as viagens à Cuba, onde a banda participou do Festival Rotilla em 2010, e do prêmio Puños Arriba, em 2011. Confira a entrevista:

Como foi seu envolvimento com a música?
Então, quando tinha uns 8 pra 9 anos, morava em Vaz lobo e tive a sorte de ter um DJ como vizinho… DJ Alex… que todas as tardes botava as caixas na janela dele e obrigava praticamente toda vizinhança a ouvir as mixagens dos funks olds; com o tempo comecei a dançar e a dança que mais me chamava atenção e que acabei praticando um bom tempo foi o break, influenciado pelo Michael Jackson na época. No programa dos trapalhões dancei menorzinho, num quadro da época que eles usavam uns casacos florescentes, ainda vou conseguir esse arquivo.


Quais são suas influências?
Os funks do final da década de 80 e início de 90 como: Buffy, College, Connie, Gigolo Tony, Gucci Grew, Hassan, Lay Zon, Shana, Trinere, Freestyle etc. Minha coroa me apresentou Barry White, Bezerra da Silva, Alcione, Tim Maia, muito Tim Maia…
Aprendo muito com: Beatles, Sabotage, Bob Marley, Gabriel o Pensador, Black Rio, Black Alien, Augustos Pablo, Racionais, Chico Buarque, A Tribe Called Quest, Felá Kuti, Pixinguinha, Sepultura, Cartola, Estelle, Nação Zumbi, Prodigy, De Fala, Câmbio Negro, Faces do Subúrbio, Planet Hemp, Pavilhão 9, Serial Killer HC, Esquadrão Zona Norte, RATM. Vish, se deixar, vou até amanhã aqui (risos)…

Como aconteceu sua integração ao Antizona?
Com 15 anos, morando no Lins, conheci a nata da vagabundagem do Méier, a galera do skate, tatoo, som, etc. Tudo era novidade, até que conheci um louco chamado Taz (ex-baixista do AZ), me convidou pra fazer uma participação no show da banda dele que ia rolar no extinto Garage, na Rua Ceará e tal, só que até então, eu nunca havia subido no palco na vida e a primeira vez que subi foi pra cantar “Killing in The Name” do Rage Against The Machine, no Garage e a banda era o ANTIZONA. Depois da participação os caras me convidaram na hora pra ser vocal da banda e assim comecei.

André, juntamente com o Antizona, você participou de muitos festivais, e abriu um show do Planet Hemp. Nesses momentos, se sentiu com uma grande responsabilidade?
Aumenta um pouco a adrenalina, claro, mas isso é bom, pois te motiva a se superar. O AZ sempre foi e sempre será, uma grande responsabilidade, independente do show, gravina etc. Procuramos trabalhar sempre com muito foco e amor.

O Antizona passou a circular em espaços de movimento social, pra você, como foi essa experiência, de alcançar outro público?
Bom, quanto mais público nos ouvindo, melhor, então, com certeza foi muito favorável pra nós… Tocamos em eventos importantes como o 11° aniversário do Estatuto da Criança e do Adolescente e eventos do MST, nos arcos da Lapa; Nossas letras na época eram muito mais radicais e por isso muitos ativistas se identificavam… Nosso DJ, Fabio ACM, já trabalha com projetos sociais há muitos anos e não tinha como ficarmos de fora dessa, foi quando rolou a gravação do disco do projeto “Hip Hop pelo Fim da Violência Contra as Mulheres”, o AZ contou com a participação de vários MCs ( DMA, Léo da XIII, Slow, Airá, Poetas de Ébano, MR Bocca, Eddy MC, WF, eu, Cacau Amaral e Opanijé). O AZ assina a produção musical desse disco que não tem finalidade comercial e sim educacional.

Nessa caminhada do Antizona, foram lançadas muitas Demos, mas como foi gravar o 1° disco oficial?
Depois de 6 demos, gravar o primeiro disco deu uma sensação de alívio, foi muito satisfatório ouvir nosso som bem gravado, mixado, masterizado e prensado. Você passa a existir de verdade quando lança um disco à vera.

Você visitou Cuba duas vezes, Foram muitas realizações, em 2010, o Antizona tocou no Rotilla, gravou videoclipe; em 2011, foram convidados pra premiação de Hip-Hop Puños Arriba, como foi essa experiência?

Foi incrível ver como o Hip Hop é forte em Cuba, em 2010, quando tocamos no festival Rottila, ficamos de cara quando vimos praticamente 10 mil pessoas cantando todos os raps dos Los Aldeanos (principal grupo de rap cubano). Esse ano o Puños Arriba nos apresentou um leque de talentos no rap cubano, como o grafiteiro Lazaro, que só pinta com spray, quando recebe doações de grafiteiros de outros países, pois em Cuba não existe spray, então ele pinta com pincel, rolo e as artes dele são de altíssima qualidade. No Rap, Doble Filo (ganhou 5 prêmios), Kausa Justa, Esquadron Patriota, a grande premiada da noite, Danay Suarez, El Discípulo, Carlito Mucha Rima e o maior produtor e MC cubano, Papa Humbertico. A banda que juntamente com os DJs, fizeram vários arranjos na linha do The Roots para os MCs rimarem. Outra coisa que nos chamou atenção na premiação foi a categoria: “Melhor Introdução”, e toda organização do evento, o Matraka Produções, que foi impecável na organização.


Confira o videoclipe da canção “Siga Seus Passos”, gravado em Havana, Cuba:

IFRAME Embed for Youtube


Ainda em Cuba, o Antizona, juntamente com Slow da BF, Papá Humbertico, El Discípulo e Carlito Mucha Rima, gravou a canção “Ponha a Mão Pra Cima“, como foi essa experiência, de fazer um som com MCs cantando em outro idioma?
Slow é um grande MC, irmão, aliado nosso e merece todo respeito, esse som não foi o primeiro, nem será o último que gravaremos com as rimas dele, se Jah quiser. Nós assistimos o ensaio da premiação um dia antes no teatro América em Havana e assim que encerrou o ensaio dos caras, Passamos no posto, compramos umas Bucaneros (cerveja) e partimos pro home estúdio Real 70, do Papa Humbertico em Havana. Chegando lá, ele mostrou uns 10 beats diferentes, escolhemos o do DJ Maro King, de Barcelona e começamos a ouvir, ouvir.. até que tive uma idéia pro refrão, mostrei, aprovaram, aí o El Discípulo já concluiu o refrão comigo e cada um escreveu sua estrofe na hora, “como manda o figurino” (risos). A gravação começou umas 2:30 e terminou 8 da matina. Na saída, pra chegar até a estrada pra conseguir condução, tivemos que andar uns 3 KM, geral viradão, mas valeu a pena, Os Caras são muito criativos.

Quais são as ideias e os projetos pra 2011?
No momento estamos ensaiando com o novo baterista Wagner Nascimento e estamos aproveitando para rearranjar algumas músicas, preparando um show mais compacto; pré- produzindo nosso próximo disco, estamos compondo, fazendo shows, divulgando o som “Ponha a Mão Pra Cima”, de todas as maneiras virtuais possíveis, o som “Buscando” e “Tatoo” que conta com a participação do Fábio Broa (RZN), já estão disponíveis pra download na internet e estarão no nosso próximo disco que deve ser lançado no início de 2012 com muitas novidades e participações. Tudo que rolou em Cuba esse ano foi filmado e fotografado, em breve vai rolar um documentário pra vocês.


Zovão, valeu pela entrevista, gostaria que deixasse uma mensagem para os leitores do Portal Enraizados…
Rapeize do Enraizados, antes de mais nada gostaria de parabenizar todos vocês pelo trabalho educacional e cultural que vocês realizam aí no Enraizados. É uma honra poder oferecer um pouco da nossa história e da experiência vivida em Cuba. Gostaria também de agradecer aos meus irmãos do AZ que tão fechados comigo sempre: DJ e Percursionista Fabio ACM, guitarrista Fabinho Teixeira, baixista Renato Horácio, baterista Wagner Nascimento, ao coletivo onde o AZ surgiu, que é a ZN Máfia e a todos que tiveram paciência pra ler a entrevista, muito obrigado e quem quiser saber mais sobre o Antizona é só ir em www.bandaantizona.com ou www.reverbnation.com/antizona Que o enraizados seja eterno!

O Antizona será uma das atrações da 3ª edição do Mixtureba Enraizados, que acontecerá dia 27, no Espaço Cultural Sérgio Porto, que fica na Rua Humaitá, 163 – Humaitá Rio de Janeiro – RJ.

Faça contato com o Antizona. Contato para shows: contato.antizona@gmail.com ou 9103-3570 (Fábio ACM).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

DEIXE AQUI SUA PALAVRA TÁ??