TODO DIA ...É 1 TEXTO NOVO!!!

14 de mai de 2013

raiz!





Oficina de Hip-Hop (Rap)


INTRODUÇÃO:

 
A sigla RAP é, pelo inglês, originária das iniciais de Rhythm And Poetry - Ritmo e Poesia. Rap é o discurso rítmico com rimas. Rap é um dos elementos da música e cultura hip hop. O rap, comercializado nos EUA, desenvolveu-se tanto por dentro como por fora da cultura hip hop, e começou com as festas nas ruas,nos anos 70 por jamaicanos e outros. Eles introduziam as grandes festas populares em grandes galpões,com a prática de ter um MC, que subia no palco junto ao DJ e animava a multidão, gritando e encorajando com as palavras de rimas, até que foi se formando o rap. 
 
A origem do Rap veio da Jamaica, mais ou menos na década de 60 quando surgiram os sistemas de som, que eram colocados nas ruas dos guetos jamaicanos para animar bailes. Esses bailes serviam de fundo para o discurso dos "toasters", autênticos mestres de cerimônia que comentavam, nas suas intervenções, assuntos como a violência das favelas de Kingston e a situação política da Ilha, sem deixar de falar, é claro, de temas mais polêmicos, como sexo e drogas. No início da década de 70 muitos jovens jamaicanos foram obrigados a emigrar para os Estados Unidos da América, devido a uma crise econômica e social que se abateu sobre a ilha. E um em especial, o DJ jamaicano Kool Herc, introduziu em Nova Iorque a tradição dos sistemas de som e do canto falado e foi se espalhando e popularizando entre as classes mais pobres ate chegar a atingir a alta sociedade.
 
D.J. Kool Herc.
 
MUITO MAIS DO  QUE CANTAR RAP, A OFIÇINA PROPÕE A CRIAÇÃO DE UMA VISÃO MAIS CRÍTICA DA REALIDADE E A EXPANSÃO DE UMA VISÃO CULTURAL, ATRAVÉS DA POESIA, PROSA, RITMO E PENSAMENTO. USANDO LIVREMENTE A PALAVRA, O OFIÇINA INCENTIVA A POTENCIALIZAÇÃO CRIADORA E AINDA APLICA NOÇÕES DE: HARMONIA, MELODIA, IMPOSTAÇÃO, IMPROVISAÇÃO E LÍNGUA PORTUGUESA.
 
 


CONTEÚDO PEDAGÓGICO (PARTE 1)

1-1 POESIA

-DESENVOLVIMENTO DA ESCRITA PESSOAL  
-Mobilizar o uso da palavra, da narração e de signos juvenis potencialmente “comunicativos” através do uso de imagens, de produção artística a difusão de visões e versões acerca dos significados das práticas de violência contribuindo para uma nova concepção de direitos e cidadania.

-DESENVOLVIMENTO TÉCNICO DA ESCRITA
-escrever coisas que se liguem diretamente com sua vida e com sua visão de mundo, relatando experiências própias ou não. Usar a palavra como válvula de escape para delimitar suas experiências e vivencias.

-DESENVOLVIMENTO DO VOCABULÁRIO
-Utilização e conexões de diversas palavras sugeridas ou criadas pelos alunos nas frases e fazer o reconhecimento e apropriação de termos não conhecidos. Procurar usar o maior número de palavras e saber do seu significado, utilizando exemplos didáticos ou não, usando um dicionário se preciso for, para o entendimento da palavra.

-POTENCIALIZAÇÃO VOCAL E CRIATIVA
-utilização de técnicas mistas de voz, descobrindo em cada um sua energia e potencial vocal, usando a dicção a serviço do rap e se apropiando de um estilo, que o identificará em meio a tantos outros.

1-2 RITMO

-ESTUDO DAS TÉCNICAS DE RIMA (MÉTRICA)
-Utilização e complemento da poesia dentro da batida sonora, colocando enfase na dimensão do que se quer dizer e de como dizer determinada coisa.É a contagem dos sons dos versos. As sílabas métricas, ou poéticas, diferem das sílabas gramaticais em alguns aspectos. Lembraremos alguns preceitos a esse respeito: contam-se as sílabas ou sons até a tônica da última palavra de um verso.

-ESTUDO DO CANTO FALADO (FLOW)
-É a apropiação de uma tecnica vocal aprendida por meio de tecnicas na oficina ou assimiladas como um dom natural , a importancia do "flow" é a diferenciação que o seu uso pode proporcionar a cada aluno de maneira irestrita.

-ESTUDO DO CONTEÚDO (CONSCIENCIA)
- Oque se escreve e como se escreve é a meta do rap , se pudessemos separar em camadas , diriamos que o rap é a cobertura de um bolo que tem por base  ou recheio a consciencia do que se diz .
Consciência é uma qualidade psíquica, isto é, que pertence à esfera da psique humana, por isso diz-se também que ela é um atributo do espírito, da mente, ou do pensamento humano. Ser consciente não é exatamente a mesma coisa que perceber-se no mundo, mas ser no mundo e do mundo, para isso, a intuição, a dedução e a indução tomam parte.

-ESTUDO DA HISTORIA DO RAP
-Difereciar rapper de mc , freestyle de letra.

1-3 MUSICALIDADE

-LINGUAGEM MUSICAL E IMPROVISO
-A técnica consiste em improvisações vocais sobre bases instrumentais. A maior diferença, no caso, é o canto falado do vocalista que não obdeçe tão cegamente a metrificação.Anteriormente ao hip hop , na Jamaica o toast é a primeira referencia de improviso considerado um dos primeiros MCs da história o jamaicano U ROY  foi um dos pioneiros na arte do "toast", surgida na Jamaica nos anos 70.
U ROY (TOASTER JAMAICANO)
-ESTILOS CARACTERÍSTICOS
-Existem muitos estilos de cantar RAP E DENTRE ESSES MUITOS DISTINGUIMOS 3:
-Gangsta rap
-underground
-classico
 
-FILOSOFIA E CONHECIMENTO
-A Zulu Nation acrescentou um quinto elemento aos quatro existentes (DJ, MC, B boy, Grafitti): o Conhecimento – consciência cidadã. Alertou-se insistentemente para a importância deste quinto elemento, para a sobrevivência e o sucesso deste movimento. Conhecimento do mundo, cultura, para formar uma identidade e uma consciência étnica e de cidadania em pessoas, especialmente os afro-descendentes pobres, que tinham difícil acesso à educação e mal conheciam os seus direitos e deveres como cidadãos,. Assim, o hip-hop se transformou em um instrumento de mudança social.
 
-POSTURAS TÉCNICAS E VOCAIS
- é basicamante o modo componamental e aapresentação , plásticamante falando do artistica inclui - se ai , a impostação da voz e o carisma paraticular na articulação do rap.

1-4 HISTÓRICO

-RAP E SEU CONTEXTO SÓCIO EDUCATIVO
-Usar o rap como exemplo de educação parceira  e buscar a ampliação dos horizontes culturais dos alunos.

-HISTÓRICO DO HIPHOP
- inserir a historia de todos os elementos do hiphop no decorrer da oficina.

-RAP ATUAL
- trazer a tona o atual painel do rap , utilizando exemlos negativos e positivos do que se tem produzido hoje no cenario  do rap , em forma de informação  visual , sonora e comentada.

-REVOLUÇÕES PESSOAIS E PROTAGONISMO
-Tentar inserir um pensamento mais positivo na mente dos alunos utilizando a atitude de forma consciente e fomentar o crescimento  do ser humano de forma mais pratica  com a auto valorização , auto estima e etc...

1-5 CIDADANIA

-LOCALIZAÇÃO GEOGRÁFICA E VALORIZAÇÃO DO POTENCIAL LOCAL
- Usar a sua localização social e espacial como ferramenta do texto a ser criado na pratica da oficina.O conceito de cidadania sempre esteve fortemente atrelado à noção de direitos, especialmente os direitos políticos, que permitem ao indivíduo intervir na direção dos negócios públicos do Estado, participando de modo direto ou indireto na formação do governo e na sua administração, seja ao votar (direto), seja ao concorrer a cargo público (indireto). No entanto, dentro de uma democracia, a própria definição de Direito, pressupõe a contrapartida de deveres, uma vez que em uma coletividade os direitos de um indivíduo são garantidos a partir do cumprimento dos deveres dos demais componentes da sociedade Cidadania, direitos e deveres.

-NOÇÕES MERCADOLOGICAS
-Tomar a consciencia que a arte é valorizada sim , como meio e produto da sociedade  ,e o rap pode ser um produto do mercado , se bem utiluizado

-CONTEXTUALIZAÇÃO DA CULTURA HIPHOP NO COTIDIIANO
-Usar a sua experiencia particular para ilustar as suas verdades , a sua rua e a sua familia são naturalmente fontes de inspiração constantes.

-RAP, ARTE E TRABALHO.
- O mercado do hiphop está em franca valorização e sendo o rap sua vitrine principal , a possibilidade de obter sustentabilidade com o rap é real e imensa.
O assunto envolvendo a valorização profissional do artista do Hip-Hop vem sendo debatido a longa data.
É realmente muito difícil, num país como o Brasil, onde temos culturas musicais bem instaladas, como o Samba, a MPB, as diversas músicas tradicionalistas – como o Sertanejo – e regionalistas – como o Brega e o Axé – conquistarmos um espaço de destaque na mídia de massa (rádio, jornais e, principalmente, televisão). 


É exatamente através desses meios de comunicação, que atingem a milhares de lares pelo país afora e são de grande poder apelativo, que conseguiríamos “melhor inclinar” a mesa, se é que vocês me entendem... Mas o acesso é restrito a apenas alguns de nossos artistas. Talvez - e vale a pena nos perguntarmos - seja porque eles tem um posicionamento mais profissional e horizontes mais abertos? É uma possibilidade.

A verdade é que o espaço que atingimos, nosso nicho de mercado, ainda é muito pequeno e pouco desenvolvido. Existem dois tipos de "consumidores do Hip-Hop". Áqueles que não têm conhecimento real do que representa a cultura, nem de sua história, nem de seus personagens, nem de sua profundidade... São os chamados "consumidores da moda". Não são em sua maioria ricos, como se pode achar. Muitos deles vivem também nas periferias do Brasil. Consomem a música Rap ao mesmo tempo em que consomem o Pagode, o brega, a música eletrônica, o disco da novela das nove e por aí vai... E temos ainda, uma minoria, mais informada sobre a cultura de rua, principalmente a música Rap mainstream - aquela que passa na TV, na rádio, nas revistas mais pops e outros espaços. 


Ambos tem poder de compra (seja na loja, seja no "pirata" lá no centro da sua cidade), mas não representam (ainda) poder suficiente pra movimentar nosso mercado como é o "liquidificado" mercado norte-americano. Claro, a gente, que movimenta os meios de comunicação do Hip-Hop, os próprios artistas (MCs, DJs, Graffiteiros e Dançarinos), bem como produtores e beatmakers, representam uma outra parcela de "consumidores", pois, além de produzirem, também buscam material, no Brasil e fora dele, por lojas, virtuais ou não, e pela Web em geral, através de downloads ou métodos assemelhados.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

DEIXE AQUI SUA PALAVRA TÁ??