TODO DIA ...É 1 TEXTO NOVO!!!

4 de abr de 2009

3 caras...

GOSTO DE MUITAS COISAS E NÃO GOSTO DE POUCAS...
UMA DAS COISAS QUE MAIS GOSTO É LITERATURA...
OUTRA COISA QUE GOSTO MUITO É MÚSICA
OUTRA...CINEMA
QUE BOM QUE EU CONSIGO DE ALGUMA FORMA VIVER ESSAS 3 COISAS.
SEM ELAS , TALVEZ , MINHA VIDA SERIA 30% MAIS CHATA , E COM ELAS EU CONSIGO REAVALIAR MINHA CONDIÇÃO DE SER HUMANO.


LITERATURA

Não é de hoje que os estudiosos vêm procurando conceituar a Literatura de um modo convincente e conclusivo. Porém por mais esforços que tenham sido feitos, o problema continua aberto. E por quê? Ora, pelo simples fato de que nesse particular, somente podemos usar conceitos, nunca definição.

A Definição pertence ao campo da ciência. Definir é dar uma explicação precisa, exata de algo. Assim, quando dizemos que água é [H2O], estamos dando uma definição, pois os termos do enunciado correspondem à essência da água e tão somente a ela. Além disso, tal definição é aceita universalmente, pois se baseia no raciocínio, ou melhor, no emprego da razão.

AMO ESSAS PALAVRAS:
“O poeta sente as palavras ou frases como coisas e não como sinais e a sua obra como um fim e não como um meio; como uma arma de combate.”
(Jean-Paul Sartre, século XX)


MUSICA

Definir a música não é tarefa fácil porque apesar de ser intuitivamente conhecida por qualquer pessoa, é difícil encontrar um conceito que abarque todos os significados dessa prática. Mais do que qualquer outra manifestação humana, a música contém e manipula o som e o organiza no tempo. Talvez por essa razão ela esteja sempre fugindo a qualquer definição, pois ao buscá-la, a música já se modificou, já evoluiu. E esse jogo do tempo é simultaneamente físico e emocional. Como "arte do efêmero", a música não pode ser completamente conhecida e por isso é tão difícil enquadrá-la em um conceito simples.A invenção da fotografia e sobretudo a da fotografia animada foram momentos cruciais para o desenvolvimento não só das artes como da ciência, em particular no campo da antropologia visual.

TEM PESSOAS QUE DIZEM QUE O BOM E VELHO RAP (RITMO E POESIA),NÃO É MÚSICA...
OQUE SERÁ ENTÃO ESSA LETRA DO M.C KRS 1 ?
[KRS-One]
Eu morava num lugar chamado "Millbrooke Projects"
A casa original do criminal minded...(um dos discos feitospor krs1)
Com vinte centavos no bolso eu vi a luz
Se você é um jovem negro talentoso, você não tem direitos
O seu único direito, é o direito de lutar
e não uma luta justa, eu já acordo pensando quem morreu na noite passada
Tudo e todos estão em guerra,
Fazendo minha expressão poética violenta
Eu não tenho medo de dizer, e muitos não conseguem lidar com isso
Em tempos de minha vida, eu fui tratado como lixo
Eu comia o "free cheese" enquanto a Igreja dizia "Acredite"
e ia na escola todo dia, como um completo idiota
Bem, aqui estou eu, relaxando na festa,
Os manos olham pra mim como se quisessem matar alguem
Manifestaram-se uns freestylers no meio da festa
Eu tenho que mostrar pra esses rappers fracos quem eu sou
Sou eu contra eles, então eu limpo a duvida
e aumento a barra, brutal até o fim
Pra alguém que olha pro Hip-Hop, do lado de fora,
parece que rap é somente sobre desrespeito
Mas Hip-Hop é uma cultura, é o que nos fazemos,
Mas as vezes a cultura contradiz como vivemos,
Porque todo negro vive duas ou tres vidas
A cidade é uma selva, somente os fortes sobrevirão.


CINEMA


O cinema é possível graças à invenção do cinematógrafo pelos Irmãos Lumière no fim do século XIX. Em 28 de dezembro de 1895, no subterrâneo do Grand Café, em Paris, eles realizaram a primeira exibição pública e paga de cinema: uma série de dez filmes, com duração de 40 a 50 segundos cada, já que os rolos de película tinham quinze metros de comprimento. Os filmes até hoje mais conhecidos desta primeira sessão chamavam-se "A saída dos operários da Fábrica Lumière" e "A chegada do trem à Estação Ciotat", cujos títulos exprimem bem o conteúdo. Apesar de também existirem registros de projeções um pouco anteriores a outros inventores (como os irmãos Skladanowski na Alemanha), a sessão dos Lumiére é aceita pela maciça maioria da literatura cinematográfica como o marco inicial da nova arte. O cinema expandiu-se, a partir de então, por toda a França, Europa e Estados Unidos, através de cinegrafistas enviados pelos irmãos Lumière, para captar imagens de vários países.

Nesta mesma época, um mágico ilusionista chamado Georges Méliès, que comandava um teatro nas vizinhanças do local da primeira exibição mencionada, quis comprar um cinematógrafo, para utilizá-lo em seus números de mágica. No entanto, os Lumière não quiseram vender-lhe, e o pai dos irmãos inventores chegou a dizer a Meliès que o aparelho tinha finalidade científica e que o mágico teria prejuízo, se gastasse dinheiro com a máquina, para fazer entretenimento. Meliès conseguiu um aparelho semelhante, depois, na Inglaterra, e foi o primeiro grande produtor de filmes de ficção, com narrativas, voltados para o entretenimento. Em suas experimentações, o mágico descobriu vários truques que resultaram nos primeiros efeitos especiais da história do cinema. Foi o responsável, portanto, pela inserção da fantasia na realização de filmes.

QUE A MEMÓRIA DE SARTRÉ,KRS1 E GEORGE MÉLIÉS , SE PERPETUE GERAÇÃO APÓS GERAÇÃO...





Um comentário:

  1. pow cara muito legal
    gostei muito do texto e achei muito legal e tambem dificil um bom assunto pra um bom texto todo dia...
    mais mantem que a idea e otima
    paz pra vc grande

    ResponderExcluir

DEIXE AQUI SUA PALAVRA TÁ??